O nascer da “MINHA escrita”

E tudo se adveio de um amplexo. Não um amplexo qualquer. Um amplexo complexo. Amplexo daqueles de subir calor, de se fazer levar para outros lugares, de molhar as calças da maneira mais safada de todas – não esperem que um escritor se interesse só por quem sabe palavras novas, ele vive a vida de todas as maneiras, o fato é que quando há algo novo ele sonha. E não sonha somente pela nudez, mas se intriga com o fato da palavra amplexo determinar um mundo enorme de possiblidades. Quando me propuseram um amplexo eu aceitei o desafio na hora, firme, ferrenho por ganhar daquela pessoa no amplexo, no complexo, no convexo e em tudo o que ele me desafiara! A partir do momento em que topei ser amplamente amplexado, a pessoa fez um sorriso sacana, meio maroto meio ingênuo. Logo pensei em um blefe, um ato idiota para me deixar vulnerável. Pobre pessoa. Eu era mais forte do que ela imaginara. Retribui com um sorriso sarcástico, meio malevolente; e em um ato de puro risco a pessoa me amplexou. Assustado, me vi nos seus braços, no começo envergonhado no meio afagado, no fim necessitado de mais amplexo. Todos os dias nos amplexavamos. E não bastava mais somente os amplexos. Tão fugaz quanto minha vontade, ela se fez deixar eu aprender o valioso, sacana e belo significado da palavra ósculo. Hoje, habito juntamente com lyazinha, de onde suguei qualidades e defeitos. Hoje sei ser irônico da minha maneira,  sarcástico da minha maneira e forte da maneira da Luft.

 

P.M

Escrevo porque gosto! Evoluo minha escrita cada vez mais e não quero ter a obrigação de escrever gramaticalmente correto! Me escondo por achar a melhor opção de me julgarem somente pelo que escrevo! Caso não goste - como diria seu zé da esquina - "pega andando!"

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *